Stella

Stella, ontem você me perguntou
e eu, calado,
falei do tempo

é que na vida, Stella,
tudo o que se responde
é simples demais

você diz me querer
como diria uma mulher
eu ouço, eu juro

mesmo com suas curvas
que ainda estão por
vir
falando mais alto
oferecidas
aos meus olhos confusos
como ponto e vírgula

mas tenho que ser justo,
Stella

querer é ter assunto
amar é aceitar
que não é bem
assim

e enquanto você fala
doce
sobre seus desejos
inventados
eu até esqueço das
responsabilidades
e silencio elogios que nunca
vou te fazer:

pois enquanto não damos certo
nunca daremos errado

e amanhã,
se você quiser,
podemos falar
sobre isso

ou
talvez
outras coisas

Anúncios

Não deu tempo

Eu corro na estação para trocar de trem, saio da linha 5 em direção à linha 7, preciso chegar logo.
Esbarro em uma família de quatro americanos que seguram um mapa da cidade e o comparam com os nomes das estações na parede do metrô. Eles falam alto, discutem feio entre si, os pais não vão se falar até a hora da sobremesa do jantar, a única hora em que tudo, até milagre, é possível. Estão todos os quatro ansiosos, precisam chegar logo ao destino, as férias não esperam. Peço desculpas em português depois de quase derrubar o caçula em cima do seu patinete com seu tênis de luzinha vermelha. Estou apressada, não consigo raciocinar, não dá pra parar, eu sinto muito por quase matar o mais novo esmagado nas suas férias tão esperadas. A irmã mais velha e adolescente que não larga o celular nem perceberia. Tadinho do menino.
Um rapaz se coloca na minha frente, me pede dinheiro, ticket restaurante, qualquer coisa semelhante, ele tem fome. Eu não posso, eu não tenho, preciso correr, não consigo ajudar. Ele tem pressa pra comer, eu tenho pressa pra chegar.
Um casal ri apressado ao esperar o metrô, a graça vai passar, assim como as horas, o trem, o tempo que eles têm juntos, a paixão que tem um prazo.
Entro no vagão, arranjo um lugar pra sentar e olho para minhas mãos: minhas unhas não estão decentes, não arranjei hora pra ajeitar, devia ter colocado outra bota, essa está velha, está feia, uma moça impecável se coloca na minha frente, e me olha, orgulhosa. Sinto inveja do tempo que ela teve pra se arrumar, e ela se sente feliz do tempo que teve para poder exibir, agora, a sua beleza, seu cabelo escovado, o seu tempo. O telefone dela toca, e, como um raio, ela responde: “J’arrive” (já estou chegando). Sinto menos inveja, ela sente menos orgulho.
Descemos na mesma estação, e cada uma corre para um lado.
Subo as escadas, chego na rua abarrotada de gente apressada, e no bairro 9 há tantos asiáticos que me pergunto se na pressa não peguei algum trem em direção à Xangai. Peles de pêssego, cabelos que não fazem questão alguma de sair do lugar, olhares surpresos com a grandiosidade das Galeries Lafayette, e ansiosos pelas compras que virão. Celulares, ipads, moderninades, tudo sem limites.
Sem tempo.
Mãozinhas na boca para rir, demonstrar medo, surpresa, felicidade, raiva, fome, sono. Passo por uma asiática que, particularmente, chama a minha atenção: a sua filha berra, apressada para dormir, o marido reclama, apressado para sumir, ela não muda a feição, a precisão dos passos, a altura da voz, a pele que eu pedi a Deus. Ela empurra o carrinho da filha, sorri um meio sorriso de alguém que mesmo desesperado engole todas as palavras, fixa o olhar em um horizonte que só ela vê, e segue.
Atrasada, pode ser, mas socialmente adaptada, com certeza.
Ela, diferente de nós, sabe que vai chegar.
Não importa a cor, a religião a cultura: nos apressamos, todos.
Como aquela pessoa teve tempo para um rastafári, como aquele rapaz fez o nó da gravata, como aquele cantor compôs aquela letra, demora pra enrolar aquele turbante? Alguém ainda reza antes de dormir?
Com que tempo, com que hora, de que jeito?
Chego na porta do trabalho, e me lembro que não era hoje.
Me apressei demais, esqueci de olhar a agenda, hoje não trabalho, é domingo.
Não tenho tempo para xingar ninguém, então corro para pegar a linha 4. No domingo preciso escrever, eu tinha feito uma promessa, com que tempo não sei, acho que a fiz dentro do metrô, numa hora de culpa por não escrever o suficiente.
Escreverei todo o domingo, prometi.
E eu lá tenho hora pra cumprir promessa?
A última promessa que fiz, de nunca mais comer pão, croissant e pain au chocolat (ou pelo menos até voltar aos meus 55kg) quebrei porque cheguei aos 56,7kg e fiquei angustiada por ainda não estar nos 55kg. Me dei de presente comer o que eu quisesse para passar a ansiedade.
Chego no café que frequento aos domingos, peço o meu latte, abro meu caderno, procuro, desesperada, minha caneta.
Escrevo, faminta, sobre não ter tempo.
Minhas mãos tentam correr mais rápido do que o tempo, e doem para eu parar. Um ralador de queijo se coloca entre meu pulmão e meu estômago, na garganta tem um gosto de gengibre que me lembra das saudades, mas não dá tempo de sofrer, preciso escrever.
Fico assustada com a minha bochecha que treme de tanta pressa, pego o celular e escrevo pra minha mãe, pergunto para um amigo se ele quer fazer algo à tarde, será que aquela amiga está livre hoje, vou falar com aquele cara, dane-se, hoje vou ser a primeira a enviar mensagem.
Verifico a previsão do tempo para pensar no que podemos fazer mais tarde (ou eu e meus amigos, ou eu e o cara, ou eu e eu na pior das hipóteses), abro o meu Facebook, olho fotos de gente que eu não cumprimentaria se passassem por mim na rua, e as notícias do dia. Cleo Pires fala de sexo e chama todos de hipócritas, a política mais decadente impossível, os gays sem direito algum, não se pode mais falar sobre nudez, Bruna Marquezine manda indireta pra Neymar, eu deveria estar lendo em francês, vou ter insônia.
Decido parar de escrever porque o tempo está correndo muito rápido, é domingo, minha folga, se eu não descansar não vou servir pra nada na semana que vem, entro na primeira livraria que vejo, e peço um livro estúpido para a atendente, que se chama Julie. Talvez um dia terei uma filha cujo nome será Julie. Julie estranha o meu pedido, e eu explico: meu francês precisa melhorar, eu não aguento mais ler livro pra criança, e preciso de uma história em que a protagonista está no fundo do poço, e então acontece um milagre e ela arranja um trabalho muito bom e fica rica e conhece um grande amor e tem filhos e tempo. Se ela conseguir emagrecer neste meio–tempo ainda melhor. Tudo isso, se possível, num francês fácil, e gostaria também de um livro que seja curto, de preferência, pois não tenho muito tempo.
Não saio nem com meu amigo e nem com minha amiga, decido que não vou tomar iniciativa nenhuma, o cara que fale comigo primeiro que eu tô cansada dessa história de joguinho (mas continuo jogando), volto pra casa porque o dia vai acabar, e em breve e eu preciso descansar para amanhã. Não trabalhei, não escrevi nada, não consigo começar o livro novo se eu já sei o final.
Não tenho nem paciência e nem tempo.
Volto num metrô abarrotado de gente atrasada pro jantar, pra dormir, pra semana que vem, pra ter mais tempo.
Chego em casa, tem fila pra tomar banho. Todos impacientes, todos trabalham cedo amanhã. Todos nós, moradores do mesmo lar, nos cumprimentamos educadamente, desejando, no fundo, que não tivesse ninguém mais naquela casa. Sento na escada impaciente segurando meu pijama na mão, e aguardo a minha vez de entrar no banheiro. Titi, a gata preta e branca, vem no meu colo ronronando, pedindo um pouco do meu tempo.
Lembro do ralador de queijo entre o pulmão e o estômago, e do gengibre na garganta: não tenho muito pra dar, meu amor. Nem escrevi hoje, e hoje é domingo.
Tomo o meu banho o mais rápido que consigo, tem gente me esperando na fila, não posso nem olhar com mais cuidado a parte de trás da minha perna e analisar se há alguma nova celulite, então desço pro quarto, porque agora é hora de dormir, descansar, respirar, e precisa ser agora, senão não terei muito tempo.
Se eu não responder as pessoas que me procuraram durante o dia não vou dormir, então decido enviar mensagem a todos dizendo que estou ótima, que o dia foi ótimo, que fez um tempo muito ótimo. Não quero dar pano pra manga, criar burburinho, conversa à toa.
Não tenho tempo.
Abro o Youtube contra a minha vontade, e vejo uma entrevista estúpida de uma famosa A perguntando à famosa B se ela já tomou um fora de alguém, e se sim, a famosa B precisa beber álcool (?). Desta forma, fazendo algo mais do que absolutamente inútil, minha culpa só aumenta, por isso checo doze vezes se coloquei o horário certo no despertador para não perder a hora amanhã. Amanhã é segunda? Sim. Checo de novo? Sim. E aí se vão mais 20 vezes.
Desligo todas as redes sociais, coloco o celular no modo “pelo amor à minha vida, não me mande mais nada hoje”, abro o caderno decidindo não dormir agora e começar a escrever, pois amanhã não terei tempo.

Bicicleta

Mais do que duas rodas, a bicicleta tinha um tempo bom. Um tempo ruim. Um tempo passado, onde o tempo ainda era hoje, e ainda havia tempo.

O presente foi você quem me deu, com peças tiradas de lugares onde nunca estivemos juntos.

E aquela bicicleta tinha a vida dela. Ela dividia alguns momentos comigo, me levava nas costas pra mostrar uns segredos da vida, e sempre me convencia de que eu não sabia de nada. Era tudo como o tempo queria.

Eu esperava chuva, a mesma que você sempre previa, e lá de trás das cinzas vinha um sol constrangido dizendo que não. E quando minhas ideias me levavam pelas mãos para uma esquina por acaso, onde eu via seu rosto num dia quente, o dia chovia o choro frio de quem entende que a vida não é lógica.

Fizemos planos enquanto a magrela descansava e nos observava encostada num muro pichado com nomes de gente que se amou um dia, e falávamos em tudo, menos em carros, que agora você tem porque os jovens crescem.

Roubaram a minha bicicleta, mas deixaram meu olhar. Aquele olhar jovem sobre as coisas.

Ainda lembro do seu sorriso torto no dia em que me presenteou, e ainda espero te encontrar sozinho e por acaso numa esquina qualquer quando eu estiver à pé usando o vestido que você mais gosta, para você me perguntar o que aconteceu com a bicicleta, e eu dizer que me roubaram – assim como o tempo me roubou você – mas que eu estou bem:

Continuo jovem, apesar de agora andar com as minhas próprias pernas, entendi que a vida não é logica, mas, ainda assim, se há uma coisa na qual não penso, é em ter um carro.

Fogo

Era botar fogo no corpo inteiro e sair correndo sem medo de existir como detento fugitivo que foi preso por falar de amor. Era falar palavra de furadeira, que entra fundo na pele de quem precisa saber, sem o menor pudor próprio daqueles que são catequizados para diferenciar o certo do errado. Era se aproximar daquilo que faz mal e tirar as próprias conclusões, porque o bem que isso traz mãe e pai não ensinam. Era o corpo sem temer a dor, porque é ela quem lembra da força que existe. Era aceitar a solidão como a melhor amiga de quem não está pronto para ser o que não é – era amá-la como parte essencial do processo de saber dizer não. Era o passado pedir desculpas por tudo, mesmo tendo consciência da sua importância – era aceitar as suas desculpas, mesmo sabendo que ele teria feito de novo. Era olhar para aquela imagem antiga sem querer chorar, só enxergando de um outro ângulo um tempo que não existe mais. Era subir numa bicicleta e pedalar pra longe da realidade que lembra todo o dia da burrice que foi inventar a realidade. Era entender que o inimigo é um espelho. Era aceitá-lo como quem faz as pazes com os erros cometidos. Era cometer mais erros sem pensar nos seus desdobramentos. Era se arrepender por esses erros, e cometer alguns outros. Era concordar com o fato de que crianças sabem mais. Era amar como quem vai embora pelo bem do outro. Era odiar como quem sabe que não cabe tanto amor. Era encontrar a paz no lugar do qual se tem mais medo. Era calar a boca das vozes que tentam impedir, e ir, delicadamente, atrás de uma história pra contar. Era agradecer as opiniões com muito respeito, e fazer tudo ao contrário. Era dar risada dos problemas criados para sair um pouco da rotina.
Era com o passar dos medos.
Era com o passar dos dias.
Era com o passar dos anos.
Depois de todos esses danos.

escolha

escolha
dura
para uma vida
mais suave
sem o grande entrave
que agora vai existir
somente dentro de um passado
um tanto amargo
onde a escolha
não podia ser feita
por imaturidade do medo
que parecia maior
que a escolha –
e esta, antes de ser feita,
seguia abrindo ainda mais
a ferida
a cada lembrança
da iminência da mudança
que podia alterar uma vida
que nem sei se era vivida
ou se era a espera
de uma escolha decidida.
e a escolha
que depois de feita,
absorvida,
faz as horas mais leves
assim como minha costas
suaves e prontas
para a próxima
escolha

líquido

líquido como o suor frio do medo
da vida que me chutaram pra viver
sem me perguntarem se eu daria conta
das coisas dos outros de mim mesma
do sol das estrelas da infinidade de assuntos
que eu nunca vou entender
das situações em que eu nunca vou estar
das pessoas que eu nunca vou ser
verdade que um dia eu teria que saber

líquido como o seu amor
que chegou de mansinho feito visita
e foi dominando a sala a cozinha o meu quarto
me deixou sem palavras e me afogou em tanta coisa
que dói a cabeça e me faz chorar
não sei por que
a liquidez do tempo que tivemos pra viver

líquido como o relógio de Dalí
como a minha infância
que não tinha nome nem inveja
mas onde ainda está o balanço e a areia
que escorre da ampulheta
como líquido
daquela cachoeira daquele dia daquela época
que me fez saber que estava viva
apesar da dor de ter que entender

líquido como nós
escorrendo dos prédios
dos ônibus da sala de espera
dominando aos pouquinhos
calçadas avenidas espaços secos
saaras de solidão e corpos corcundas
de tanto caminhar em busca de sentido
pingando a falta de respostas
e esquizofrenicamente atrás da voz
que diz que precisa ter calma,
que tudo isso é fase, é líquido

líquido como a Marginal a Paulista a Capital
como a fuga pra qualquer lugar
pro fundo pra cima pra baixo pra direção nenhuma
onde não haja nada que seja
líquido como o desespero que desce com a saliva
quando está demorando pra passar
a hora em que o coração para de escorrer
pro nada
e passa a bombear novamente
o ar

o alívio de se ver fora da água
pra respirar a vida com lucidez
apesar da sua liquidez