Perdas

Perdas que lambem a alma
Se misturam à lágrimas
Que desembocam no rio
Das mágoas que precisam ser sentidas
Correm
Evaporam e viram vento
De paz
 
Perdas que soltam as pernas
Antes tão pesadas
Ancoradas à vidas passadas
Que insistiam na inércia
Acorrentadas a uma regra
Do ser quem nunca
Se foi
 
Perdas tão necessárias
Sem as quais as horas param
A mente adoece
A dor é quase palpável
E os dias
De dias não têm nada
Só escuridão
 
Perdas que libertam desejos
Antes nunca consideráveis
Que abrem espaço na mata
Antes tão assustadora
E que nos levam pelas mãos
Em direção à luz
De uma vida melhor

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s