Bálsamo

O tempo pede pausa.
O tempo pede tempo ao tempo.
Enquanto o tempo passa depressa,
o tempo se pergunta quando terá tempo
pra poder doar.
O tempo quer,
mas o tempo não para
pra ele passar.
Máquinas, flashes, ondas mais rápidas que a luz,
e o tempo preocupado,
pois precisa de mais tempo.
Pelo tempo que gostaria que respirasse,
dormisse em paz, vislumbrasse uma janela.
Pelo tempo que gostaria de dar.
Pelos passos, olhares, beijos,
e pela vida que há de passar.
Se há tempo, só há de melhorar.
Dores, perdas, feridas, fins.
O tempo precisa de tempo para curar.
O tempo ajoelha.
O tempo suplica.
Ele quer existir.
Ele quer ser e estar.
Mas parece que ninguém mais,
nem mesmo o tempo,
tem tempo para conjugar.

Anúncios

Categorias:Poesia, Reflexões

Marcado como:, , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s